:: Visite a Bahia ::
     
     
Terça, 25/04/2017 - Hoje é dia de Oxumaré (São Bartolomeu) Renovação, crescimento e prosperidade. Contas verdes e amarelas.
Documento sem título
Folclore
Afoxé
Bacamarteiros
Bailes Pastoris
Bando Anunciador
Bumba Meu Boi
Burrinha
Cabeçorras
Caboclinhos
Capoeira
Chegança ou Marujada
Lamentação das Almas
Lindro Amor
Maculelê
Mandus
Puxada de Mastro
Samba de Roda
Terno de Reis e Congo
Trança Fitas
Zambiapunga
 

 

 
 
 
Dança popular antiga, de origem portuguesa, que representa a luta entre mouros e cristãos .
 
 
Chegança ou Marujada 
 

A chegança costuma ser representada com cenas marítimas. No final da “batalha”, os mouros são derrotados e convertidos em cristãos, sendo posteriormente batizados.

Em toda sua evolução, o bailado dramatiza as lutas portuguesas e as conquistas marítimas. Comemora a vitória do catolicismo sobre o islamismo. Recebe, também, a denominação de Barquinha ou Nau Catarineta.

Era um tradicional folguedo de importância popular, também conhecido e tratado carinhosamente pelo nome de “Contradança” que desfilava por ocasião das grandes solenidades, principalmente na festa do padroeiro do Distrito e da Sede. A “Marujada” também significava um meio de compreender as gerações anteriores, os desbravadores da região. Apesar de simbolizar uma homenagem à memória marítima, a “Marujada de Taboquinhas” era formada de pequenos lavradores, com realce para a “Família Maximino” da região do Ribeirão Cuiudos, com os irmãos “marujos”- Alcides, Isaac, Evaristo, Germano, Honório e Crescêncio, por trabalhadores rurais, tropeiros, pequenos comerciantes e associados do núcleo de estivadores do Distrito. O desfile da “Marujada” tornava-se bastante interessante pela sua espontaneidade e organização, implicando em grande acompanhamento de pessoas com o cortejo do evento deslocando-se em duas fileiras. No centro, seguia um marinheiro carregando uma réplica de um pequeno barco; o restante do grupo obedecia à ordem de patente, sob o comando firme e garboso do comandante “Manuel de Guelé”, tendo ainda a figura do Capitão-de-Mar e Guerra, Piloto, Contra-Mestre, Gajeiro-Grande, Gajeiro-Pequeno, Mestre de Convés, Imediato e Calafate.
A vestimenta era muito bonita, composta de quepe branco, calça de brim branco, camisa branca com platinas douradas nos ombros, golas azuis, gravata preta, espada, sapatos geralmente de cor branca, com alguns oficiais podendo utilizar sapato preto lustroso. Também levavam pandeiros com enfeites e desfilavam pelas ruas embalados pela quadrinha:

 
Onde assistir: Prado – na segunda-feira após a Semana Santa, durante as comemorações de São Benedito;Mucuri – 19 de março, na festa de São José; Jacobina – Festa de São Benedito, após as comemorações do Divino Espírito Santo (data móvel);Alcobaça – 20 de janeiro, na festa de São Benedito
 
 
 
 
 
 
SHOPPINGVISITEABAHIA

 

Documento sem título
Sites do Grupo VBTur :
VBTur :Agencia Operadora de turismo Receptivo em Salvador :Ag.receptivo Pacotes de Reveillon :Pct hospedagem
Pacotes de Carnaval : Pct hospedagem Visite a Bahia: Portal de Turismo Bahia Visite o Brasil: Portal de Turismo Brasil
Turismo TV: Webtv sobre Turismo Noticias de Turismo: Noticias s/Turismo Ofertas do Turismo: Ofertas especiais
Leilão de Turismo: Produtos turísticos Central de Escunas: Passeio às Ilhas Turismo Club: Ofertas só p/associados
Aquishow: Portal de Musica e Lazer    

Copyright 2004 -VisiteaBahia.com.br

Todos os direitos reservados à visiteabahia.com.br * É totalmente proibida a cópia total ou parcial desse site.