:: Visite a Bahia ::
     
     
Terça, 25/04/2017 - Hoje é dia de Oxumaré (São Bartolomeu) Renovação, crescimento e prosperidade. Contas verdes e amarelas.
História da Bahia
Descobrimento
Capitanias Hereditárias
Os Negros
Os Índios
Grupos Étnicos
Religião
Educação
Política
Econômia
Folclore
Turismo
Carnaval
Idioma Baiânes

 

 
 
 
 
A Economia

A economia da Bahia colonial foi, desde o início, voltada para o mercado externo, respondendo às exigências da metrópole e do comércio europeu. Segundo Tavares (1987) entre outros autores, era uma economia de exportação, mercantil, agrária e escravista.
Desta maneira o país produziu e consumiu somente o que interessava ao comércio externo, mais especificamente o de Portugal, funcionando como produtor de matéria-prima e consumidor de produtos manufaturados e escravos. À colônia não cabia a produção industrial ou literária, podia apenas comprar da metrópole o que era proibida de produzir. Segundo Alencar (1981) fábricas, imprensa e circulação de livros sempre sofreram sérias restrições. A colônia não podia manufaturar ou industrializar e só podia comercializar com a metrópole e nunca concorrer com ela. Segundo Junior (1994) a economia brasileira era complementar a portuguesa devendo suprir as necessidades desta última. Foi o Brasil uma colônia de exploração por mais de três séculos.
A base da economia na Bahia colonial foi, sem dúvida, o trabalho escravo que sustentou todos os ciclos econômicos até o século XIX, enriquecendo cada vez mais os senhores brancos. Além de ser mão-de-obra sem custo, o escravo era importante mercadoria humana e dava grandes lucros aos traficantes portugueses, que venderam nos séculos XVI, XVII e XVIII dois milhões de escravos negros no Brasil, segundo Alencar (1981).
A escravidão também permitia a existência de trabalho livre e assalariado dos que desempenhavam funções de vigilância dos escravos ou que exigiam conhecimento técnico. Permitiu rápido enriquecimento dos portugueses moradores do Brasil e para comerciantes de vários países europeus como França e Itália.
O porto de Salvador, único para a exportação de produtos baianos teve grande importância e intenso movimento durante o desenvolvimento da economia no estado voltada para a exportação para a Europa, África e outras capitanias.
Dividida em ciclos, a economia da Bahia e de toda a colônia caracterizou-se como extrativista, inicialmente. Já nas primeiras expedições exploradoras das terras brasileiras nos anos de 1501 e 1503, os portugueses detectaram na mata atlântica do litoral baiano a ocorrência, em abundância, do chamado pau-brasil. O pau-brasil é uma madeira de interior cor de brasa (daí o nome Brasil) da qual se extraía um corante muito usado na indústria têxtil européia e de valor comercial para a construção civil e naval.
Desde a descoberta do pau-brasil na colônia, o rei de Portugal estabeleceu monopólio da metrópole sobre sua exploração, cobrando impostos sobre os lucros obtidos com a comercialização do produto.
Os portugueses transportavam pau-brasil para a Europa e lucravam muito com esse comércio, mas eram os índios que cortavam as árvores, rachavam as toras e transportavam o pau-brasil até as feitorias criadas no litoral para armazenar o produto. Além disso, eram também os índios que carregavam o navio e trocavam seu trabalho e o produto por facas, espelhos, tecidos e outros objetos de irrisório valor comercial para os Portugueses. Assim se estabeleceu na Bahia e em todo o Brasil a troca direta de produto por produto chamada escambo.
Os franceses também fizeram escambo com os índios e exploraram largamente o pau-brasil do litoral da Bahia, desde a região de Rio Real até a Baía de Todos os Santos.
Ainda no século XVI, a produção do açúcar foi escolhida para iniciar a exploração permanente do Brasil. O açúcar era muito raro e procurado na Europa e Portugal já o produzia em suas ilhas no atlântico quando decidiu implantar a cultura da cana no Brasil. As terras baianas do tipo massapé mostraram-se perfeita para o cultivo da cana-de-açúcar e o clima do Nordeste beneficiava seu desenvolvimento. A grande quantidade de mão-de-obra necessária para a derrubada da mata, preparação do solo, plantio e colheita da cana e processamento do açúcar veio da África como escravos negros.Os escravos eram responsáveis por todo tipo de trabalho nas fazendas chamadas engenhos. Plantavam e colhiam cana, processavam o açúcar nos engenhos, trabalhavam na casa grande e em outros serviços.
A cana era plantada em grandes latifúndios como monocultura e processada nos engenhos das fazendas. Em 1585 a Bahia já possuía 35 engenhos de açúcar, no fim do século XVIII já eram 260 espalhados pelo Recôncavo. Em 1834 havia na Bahia 603 engenhos de açúcar e em 1875 já eram 892, a vapor, hidráulico ou de tração animal. 
No final do século XIX, o açúcar, embora apresentando sinais de declínio, ainda cumpria importante papel na economia da Bahia a ponto de serem construídos engenhos centrais que permitiam maior eficiência e controle da produção no estado.

O açúcar produzido no Brasil era vendido aos holandeses que por sua vez o distribuíam para toda a Europa, sendo a Bahia um dos principais produtores do gênero para exportação. Quando os holandeses foram expulsos do Brasil, deixaram de comercializar o açúcar brasileiro. Financiaram a produção do açúcar nas Antilhas que passaram a concorrer com o Brasil pelo mercado europeu. Graças à larga experiência holandesa na distribuição do produto , o açúcar antilhano logo dominou o mercado europeu e promoveu a decadência da economia açucareira na Bahia e no Brasil.

Ao lado do açúcar, o algodão e o fumo desempenharam importante papel para a economia das mais importantes regiões baianas.
Desde o século XVI a Bahia produziu e exportou algodão em menor quantidade que o açúcar, já que o comércio, externo para o qual toda a colônia devia servir, interessa-se menos pelo algodão, no momento. A produção do algodão teve seu auge no século XIX, período em que a Inglaterra passou a comprar a matéria-prima do Brasil. No entanto. Após reatar relações comerciais com suas ex-colônias americanas produtoras de algodão, a Inglaterra ao deixar de comercializar com a Bahia, promove um enfraquecimento na produção do algodão que volta a atender apenas o mercado português e o mercado interno.
Em relação ao fumo, a Bahia manteve de estável a crescente a produção que não era direcionada ao mercado europeu, mas sim ao africano. As regiões chamadas tabuleiros (Cruz das Almas e Cachoeira, por exemplo) produziram e ainda produzem fumo que, à partir de do século XVIII melhorou muito em qualidade na tentativa de atingir o mercado europeu.
Segundo Tavares (1987) diversos outros produtos foram produzidos e exportados pela Bahia nos séculos XVI,XVII e XVIII como couros, aguardente, mel, diversos grãos e produtos da mandioca.
Ainda no século XVIII, também ouro e pedras preciosas foram extraídas das terras baianas, mais precisamente de Jacobina, Rio de Contas, Araçuaí e Tucambira. No entanto, Portugal preferiu concentrar a produção de ouro e pedras preciosas em Minas Gerais, a ponto de fechar minas de ouro da Bahia, mesmo havendo no século XVIII cerca de 2000 mineradores no estado.
O gado introduzido no Brasil ainda em 1551 por Tomé de Souza passou, no século XVI, a concorrer com as plantações de cana pela terra do litoral. Durante muito tempo, a criação de gado ateneu às necessidades das populações locais, era a criação para consumo próprio. Com o crescimento dos rebanhos a extensão de terra do litoral baiano tornou-se pequena; ou se plantava cana ou se criava gado. O açúcar ainda era muito lucrativo e os interesses do mercado externo se sobrepunham em importância. A criação de gado chegou a ser proibida no litoral e banida para o sertão de todo o Nordeste. Dessa forma, a pecuária migrou em direção ao interior do estado da Bahia adaptando-se ao clima semi-árido e abrindo os caminhos dos sertões. A pecuária teve grande importância para a exploração do interior do estado, através das marchas das boiadas ligou regiões distantes e promoveu a fundação de cidades importantes como Feira de Santana. Segundo Alencar (1981) foi assim a colonização do sertão, promovida pelos vaqueiros que viajavam cada vez mais em direção ao centro do estado e do país.
Cidades como Vitória da Conquista, Xique-Xique, Juazeiro, Feira de Santana, Barreiras e Alagoinhas foram importantes pontos de pecuária do estado e grandes beneficiadores do couro que também era artigo de exportação do estado.
No século XIX a economia baiana ainda tentava responder às exigências do mercado internacional produzindo e exportando produtos primários. No entanto, diversificou um pouco seus produtos sendo ainda o açúcar o mais importante para a exportação, seguido do fumo, diamantes, café, couros, aguardente, cacau e algodão.
Sem dúvida, o comércio tornou-se no século XIX a principal atividade econômica da Bahia, principalmente de sua capital Salvador. Os grandes comerciantes baianos eram exportadores muito importantes para a economia de todo o país, mas a cidade abrigava outros tipos de comércio. Havia desde bancos até vendedores ambulantes, passando pelos lojistas dos mais diversos artigos e produtos que a sociedade baiana exigia.
Até a abertura dos portos eram os luso-brasileiros que dominavam o comércio , após a abertura dos portos os comerciantes estrangeiros passaram a dominar o comércio baiano, permanecendo na mão dos luso-brasileiros o papel de intermediário, lojista ou traficante de escravos negros. Os ingleses se destacaram em setores como a exportação e a importação de produtos nos portos baianos e brasileiros de modo geral, nos grandes comércios, nas casas bancárias e nas indústrias.
Instalou-se em 13 de novembro de 1840 a Associação Comercial da Bahia, segundo Mattos (1961). Segundo Mattoso (1992), na tentativa de forjar seu próprio sistema bancário, os grandes comerciantes da Bahia criaram em 1817 o Banco da Bahia, que operava como filial do primeiro Banco do Brasil e em 1834 foi fundada a Caixa Econômica do Estado da Bahia. O New London and Brasilian Bank Limited foi o mais importante banco estrangeiro desse período, segundo Tavares (1987). Após esse período houve grande queda de exportação dos produtos baianos o que tornou o comércio apático e estagnado por algum tempo.
No início do século, em 1808 foi cancelada a proibição da atividade industrial na colônia e na Bahia já havia a permissão para a construção de uma fábrica de recipientes de vidro. A partir de então a industrialização na colônia inicia lento processo de implantação e desenvolvimento.
A industrialização na Bahia iniciou-se efetivamente em 1841 com a instalação de fábricas de tecidos grosseiros de algodão que chegaram ao número de sete fábricas passados 32 anos. Os ingleses se tornaram peças importantes e até fundamentais neste processo já que monopolizavam a experiência e o conhecimento em relação às máquinas utilizadas. Na Bahia da mão-de-obra escrava foram os estrangeiros os donos ou técnicos das industrias nascentes, sobrando para os brasileiros apenas o trabalho "pesado".
Foram se estabelecendo lentamente na Bahia no século XIX, mais especialmente na Segunda metade do século indústrias, estradas de ferro, companhias de navegação , seguros e outros. Em setembro de 1887 foi fundada uma fábrica de chapéus com cerca de 250 operários. Em 1865 foi fundada uma farmácia e drogaria. Em 22 de fevereiro de 877 iniciou-se a industrialização do sal na Bahia.
Em 1879 a construção da Estrada de Ferro Bahia e Minas começou a permitir melhor escoamento da pequena produção das indústrias nascentes no estado . Em 1899 existiam 1248 quilômetros em tráfego, 30 anos depois eram 2669 - Bahia ao São Francisco; Central; santo Amaro; Nazaré; Bahia-Minas; Centro-Oeste e Ilhéus-Conquista. Havia também a preocupação com a construção de estradas de rodagem iniciadas no começo do século X. Houve também a ampliação do transporte por via marítima que alcançava cidades do Recôncavo como Nazaré São Félix e Itaparica, portos do litoral atlântico e Alagoas e Sergipe. Em relação ao transporte urbano, em 1897 trafegou o primeiro bonde elétrico pelas ruas de Salvador. Os dois planos inclinados junto com o Elevador Lacerda , inaugurado em 08 de dezembro de 1872 já ligavam a cidade baixa e a alta diminuindo o percurso e o tempo de deslocamento. Logo outros serviços começaram a ser desenvolvidos no estado e em 2 de maio de 1884 instalou-se o serviço de telefone em Salvador.
Segundo Garcez (1975), a Bahia viveu um período de relativa prosperidade do fim do século XVIII até o primeiro quartel do século XIX, graças ao estímulo trazido pelas guerras de independência das colônias inglesas na América que deixavam livre o mercado com a Europa. Também a revolução industrial permitia melhorias na exportação de algodão e as guerras napoleônicas que desarticularam a produção das colônias francesas e inglesas, aumentavam a demanda externa de produtos brasileiros tradicionais na exportação. Em 1900 e 1901 o açúcar europeu de beterraba já representava 68% da safra mundial.
No entanto, a partir das lutas pela independência , o Brasil começa a sofrer restrições do mercado internacional o que reduziu muito as exportações de açúcar, algodão e fumo. Já no fim do século XIX, a febre da industrialização sem planejamento, mergulhou o país inteiro em uma das maiores crises da história que promoveu numerosas falências. A própria libertação dos escravos em 1888 provocou grande declínio na economia baiana, ainda baseada no trabalho escravo e no tráfico.
A Bahia viveu então um período de estagnação na indústria e no comércio , principalmente em função da crise da sua principal riqueza, o açúcar. Esse fator ocasionou queda dos preços e afetou a balança comercial baiana. A exportação do fumo, ligada ao tráfico, foi afetada pelo fim oficial da escravidão no Brasil e pela concorrência da América do Norte que reatou as ligações comerciais com a Europa.
O cacau e o café surgiram então como alternativas que poderiam substituir o açúcar o algodão e o fumo na economia exportadora baiana. Diferente dos estados do sudeste, os solos e o clima da Bahia não favoreceram a produção do café. No entanto, o cacau encontrou no sul da Bahia solo e clima adequados para o seu desenvolvimento e produção, demonstrando ser um eficiente substituto do açúcar.
Segundo Garcez (1979), o cacau foi introduzido na região em meados do século XVIII, importado do Pará. De 1890 a 1930 o cacau se fixa como importante produto de exportação e monta-se toda uma estrutura de produção e comercialização do cacau e seus derivados. A partir de 1926 além do Porto de Salvador, o Porto de Ilhéus passou a exportar o cacau baiano. 
A crise da economia mundial de 1929 afetou a exportação de todos os produtos voltados ao mercado externo, inclusive o cacau. Outros problemas, como pragas, aliados à crise promoveram a criação do Instituto do Cacau em 8 de junho de 1931.
No século XIX e XX alguns produtos andaram lado a lado com o cacau na exportação como cana, mandioca, feijão, milho, fumo e diversas frutas e verduras. Merece destaque a cultura do algodão, mamona e sisal já que é a Bahia um dos maiores produtores regionais. A pecuária ainda é uma das mais importantes atividades econômicas do sertão baiano e em parte do Recôncavo. A Bahia é um dos principais estados produtores de leite do Nordeste do Brasil.
Segundo CEPLAB (1978), na última década do século XIX, a economia baiana registrou um surto de empreendimentos industriais que marcou o nascimento da indústria fabril no Estado, independente da economia açucareira.
No entanto, as décadas seguintes apresentaram, sob todos os aspectos, sintomas de estagnação econômica. Até os anos 50 do século XX a economia estadual não permitia a evolução em direção à industrialização. 
A grande mudança se deu a partir de 1949 com a implantação da PETROBRÁS que iniciou a exploração dos campos de petróleo do Recôncavo e a instalação da Refinaria Landulfo Alves (Mataripe). Posteriormente a criação da SUDENE e incentivos fiscais promoveram fortalecimento da industrialização de toda a região Nordeste. Tudo isso junto provocou grandes repercussões na economia baiana e importantes melhorias como a mudança na estrutura do parque industrial, na composição do valor de transformação industrial, na formação da renda interna total e industrial e no próprio espaço econômico.
O CIA (Centro Industrial de Aratu) e distritos industriais como e de Subaé, Ilhéus, Jequié entre outros iniciaram a industrialização do Recôncavo e de parte do interior do estado. A implantação da indústria petroquímica na Bahia, concentrada na Região Metropolitana de Salvador, supriu as necessidade4s de material da indústria química baiana em franco desenvolvimento. A chamada indústria de transformação é ainda de grande importância para a economia baiana e seu desempenho esteve em 1998 superior ao da indústria de transformação nacional.
Segundo Análise & Dados, até o início dos anos 60, o comércio baiano concentrou-se na exportação. Foram produtos como açúcar, algodão, farinha e por último o cacau que reinaram na produção do estado, nada preocupado com o mercado interno. Com a industrialização o comércio tornou-se mais dinâmico. No entanto, um estado de apatia permanece instalado na economia baiana e o número de vendas, exportações e empregos nunca voltou a ser como nos períodos de ouro da exportação.
A partir de 1967 o turismo na Bahia ainda pouco representativo, passou a ser explorado de forma planejada. Foram criados órgãos especializados em turismo como a BAHIATURSA, a CONBAHIA e a EMTUR, e projetos de valorização dos recursos naturais e do Patrimônio Histórico passaram a ser implantados lentamente. Hoje a indústria do turismo é uma das maiores geradoras de divisas do estado, focalizando cidades litorâneas como Salvador, Ilhéus e Porto Seguro entre outras.
Por fim, nos anos 90, grandes transformações na economia brasileira promoveram oscilações na economia do estado da Bahia que se mantém hoje dividida entre turismo, as indústrias de transformação e automobilísticas.

 
 
 
 
 
 

Menu Informações Turísticas l Voltar página anterior l Imprimir l

 
 
 
SHOPPINGVISITEABAHIA

 

Documento sem título
Google

Copyright 2004 -VisiteaBahia.com.br

Todos os direitos reservados à visiteabahia.com.br * É totalmente proibida a cópia total ou parcial desse site.